3 jogadas para o Brasil competir com a Suíça fora de campo

1ª Ambiente de negócios favorável
2ª Direito à autodefesa
3ª Descentralização do poder

1. Ambiente de negócios favorável
Enquanto na Suíça o tempo médio para se abrir uma empresa é de 10 dias, aqui no Brasil o empreendedor espera 79,8 dias. Além disso, o tempo gasto para enfrentar a burocracia no pagamento de impostos é de 1.958 horas por aqui (SP e RJ), enquanto por lá é de “apenas” 63 horas anuais. No ranking Doing Business, que mede a facilidade para fazer negócios, a Suíça aparece em 33º lugar, enquanto o Brasil está em 125º.

2. Direito à autodefesa
No que diz respeito ao direito à autodefesa, a Suíça é um dos países com a legislação mais liberal em relação ao armamento, além de possuir um dos maiores índices de armas por habitante. Por lá, o direito de defesa é garantido e encorajado: são 46 armas a cada 100 habitantes, contra 8,8 no Brasil. Mesmo assim, o país apresenta um índice de 0,69 homicídios a cada 100 mil habitantes, enquanto o nosso é de 30,33 a cada 100 mil hab, de acordo com o Atlas da Violência. Por aqui, partidos das mais variadas cores defendem o Estatuto do Desarmamento e passam por cima do nosso direito à autodefesa. Precisamos mudar isso!

3. Descentralização do poder
O modelo confederativo da Suíça garante autonomia para as diferentes regiões do país. Ainda que pequeno, o país tem uma grande diversidade cultural, que sobrevive harmonicamente graças ao modelo de repartição de poderes e recursos. Por lá, o governo federal é responsável apenas por questões como Defesa, Relações Externas e outros assuntos de caráter pouco invasivo na vida do cidadão.