Artigo: O desafio de construir um partido novo

Construir um partido político do zero não é fácil. Imagine então o de construir uma legenda sem políticos de carreira, disposta a combater o corporativismo e a defender o interesse do cidadão pagador de impostos contra o Estado paquidérmico brasileiro? Esse foi o desafio do NOVO.

Em 2013, fui o primeiro coordenador estadual do NOVO aqui no RS e liderei um grupo de voluntários que foi às ruas, ao longo de dois anos, para divulgar nossos valores e, claro, coletar assinaturas para a criação do partido.

À época parecia uma loucura. Muita gente dizia que não conseguiríamos e que a política brasileira não tinha jeito. Teve gente que torceu contra, pois sabia da ameaça que representava a existência de uma sigla que buscasse levar cidadãos comuns da indignação para a ação.

E há seis anos conseguimos o tão sonhado registro do Partido NOVO: o único partido do Brasil a não usar fundo partidário, a realizar processo seletivo para dirigentes e candidatos, a aceitar somente filiados ficha-limpa, a realmente contestar o establishment e a votar contra aumentos de impostos, privilégios e interesses corporativistas.

E agora o NOVO vive um momento crucial. Vive uma crise, dizem alguns. Eu vejo uma oportunidade clara em meio àquilo que podemos chamar de “dores do crescimento”. A oportunidade de amadurecermos nossa governança e nossas lideranças, de compreendermos que não somos meramente um partido antipetista ou antibolsonarista, mas sim um partido liberal-democrata que defende instituições sólidas e estáveis que atuem para a garantia dos direitos individuais e da democracia.

O desafio é imenso, mas estou confiante na capacidade de dirigentes, filiados e mandatários do Partido NOVO em superar os recentes obstáculos por meio do diálogo e do foco nas convergências – muito mais fortes e relevantes do que eventuais divergências, ressalvados os casos desviantes.

Sabíamos que não seria fácil fazer do Brasil um país admirado. Mas nosso dever é grande demais para nos perdermos ou deixarmos que nos dividam por coisas pequenas. Apesar das dificuldades, estamos no caminho no caminho certo. E estamos só começando!